Memórias: Rosa Luxemburgo

11 01 2019

No dia 15 de janeiro de 1919, norreu Rosa Luxemburgo. Foi uma filósofa e economista polaco-alemã, conhecida pela militância revolucionária no Partido Social-Democrata Alemão (SPD) e pela criação do Partido Comunista Alemão (KPD). Por António José André.
Rosa Luxemburgo nasceu, a 5 de março de 1871. Era a mais nova de cinco filhos de uma família judaica polaca de classe média. Desde muito jovem, começou a interessar-se por política.
Em 1889, Rosa Luxemburgo deixou a Polónia e foi para Zurique (Suíça), onde estudou Ciências Naturais e Economia Política. Em 1898, casou-se com um trabalhador alemão, Gustavo Lubeck, e adquiriu a cidadania alemã.
Depois, foi viver para Berlim e filiou-se no SPD: na ocasião a mais importante organização do socialismo internacional. Ainda antes da Primeira Guerra Mundial, Rosa Luxemburgo teve posições ideológicas firmes.
Rosa Luxemburgo defendia uma greve geral que poderia radicalizar a ação dos trabalhadores e dar lugar a uma revolução socialista internacional. Ela e companheiros da esquerda do SPD opunham-se à participação da Alemanha na Primeira Guerra Mundial. vendo-a como um conflito imperialista que não beneficiaria os trabalhadores.
Em dezembro de 1914, Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht fundaram a Liga Espartaquista, em homenagem a Spartacus (escravo que, em 73 A.C., liderou escravos fugidos da escola de gladiadores, em Capua, que lutaram contra a classe dirigente romana, durante 2 anos, com 90 mil homens).
Em 1915, Rosa Luxemburgo publicou o livro, “A Crise na Social-Democracia Alemã”, no qual acusava a social-democracia de ter traído a classe operária alemã ao defender um esforço de guerra de cunho capitalista e imperialista.
“A única solução para a crise”, afirmava Rosa Luxemburgo, “devia ser uma revolução internacional de classe”. Em maio de 1916, após uma manifestação espartaquista contra a Guerra, Rosa Luxemburgo foi detida.
Em novembro de 1918, Rosa Luxemburgo foi libertada. Nessa altura, começou a transformação da Liga em Partido Comunista Alemão (KPD). Em janeiro de 1919, os espartaquistas reuniram-se, em Berlim, para desencadear uma revolta contra o governo de Von Baden e Friedrich Ebert.
Rosa Luxemburgo juntou-se a eles relutantemente, defendendo que a insurreição deveria ter um amplo apoio popular. Mas não os conseguiu impedir. A 10 de janeiro, os espartaquistas lançaram um ataque.
Ebert ordenou que o exército subjugasse a revolta. Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht foram capturados e assassinados. O corpo de Rosa Luxemburgo foi atirado para um canal, em Berlim, sendo recuperado 5 meses mais tarde.
No dia 15 de janeiro de 1919, norreu Rosa Luxemburgo. Foi uma filósofa, economista e militante marxista cuja morte a tornou mártir da revolução socialista internacional.
Clara Zetkin, sua companheira espartaquista, escreveu: “Em Rosa Luxemburgo, o ideal socialista era uma paixão dominante e poderosa tanto da mente como do coração. Era a espada e a chama da revolução”.
Veja as seguintes obras em:
https://www.marxists.org/portugues/luxemburgo/index.htm
1894 – “Quais são as origens do Dia dos Trabalhadores?”
1898 – “Oportunismo e a Arte do Possível”
1899 – “Liberdade de Crítica”
1900 – “Reforma ou Revolução”
1902 – “A Jornada de Oito Horas no Congresso do Partido”
1903 – “A Teoria Marxista e o Proletariado”
1903 – “Estagnação e Progresso do Marxismo”
1905 – “A Revolução na Rússia”
1905 – “O Socialismo e as Igrejas”
1908 – “25° Aniversário da Morte de Marx”
1909 – ” A Questão Nacional e a Autonomia”
1911 – “Um Equívoco Engraçado”
1914 – “A Proletária”
1915 – “A Crise da Social-Democracia”
1918 – “Assembleia Nacional ou Governo dos Conselhos?”
1918 – “A Socialização da Sociedade”
1919 – “A Ordem Reina em Berlim”

Anúncios




Memórias: Ousmane Sembène

4 01 2019

No dia 1 de janeiro de 1923, nasceu Ousmane Sembène. Foi um escritor, diretor de cinema e ativista político senegalês. Considerado “pai” do Cinema Africano e uma das figuras proeminentes da literatura do sub-Sahara. Por António José André.
Ousmane Sènembe nasceu a 1 de janeiro de 1923, em Zinguinchor, povoação situada na região de Casamance (Senegal). Filho de pescadores, frequentou a Escola até aos 14 anos.
Aos 15 anos, Sènembe começou trabalhar, passando por várias profissões: pescador, aprendiz de mecânico, pedreiro, operário da ferrovia e militar. Participou em campanhas, na Itália e França, contra o fascismo e nazismo.
Depois da Segunda Guerra Mundial, Sènembe trabalhou em Marselha como estivador e tornou-se ativista sindical. Esta experiência proporcionou-lhe estudar o tema do seu primeiro livro, “Le Docker Noir” (1956).
Em 1950, filiou-se no Partido Comunista Francês, onde militou até à independência do Senegal (1960). Ousmane Sènembe formou-se como realizador de cinema, nos Estúdios Gorki de Moscovo.
De regresso a África, Sènembe desenvolveu uma dupla atvidade criativa, como escritor e realizador de cinema. Em 1963, dirigiu o seu primeiro filme “Borom Sarret” ao qual se seguiram outros 14 mais.
Sembène denunciou o nepotismo e a corrupção no filme “Le Mandat”, sendo censurado pelas críticas feitas à burguesía e à aristocracia local. Em 1969, fundou a FEPACI (Federação PanAfricana de Cineastas), que defendia os direitos deste coletivo na promoção de cinema africano.
Em 2000, Sembène iniciou um tríptico sobre o heroísmo quotidiano da mulher africana com “Faat Kiné”. Em 2005, saiu o segundo filme “Moolaadé” (2005). O terceiro não chegou a ser concluído.
“Quero manter a minha estética o mais próximo possível da narrativa oral tradicional dos nossos países. Não uso métodos de Hollywood ou do cinema europeu. A minha meta é criar uma linguagem africana”, declarou Sembène.
Ousmane Sènembe, que faleceu 9 de junho de 2007, em Dakar, é considerado “pai” do Cinema Africano e uma das figuras proeminentes da literatura do sub-Sahara.
Veja também este documentário:





14 JAN: Apresentação do livro “O Espectro dos Populismos”

31 12 2018


No dia 14 de janeiro (segunda feira), vai haver uma sessão, promovida Por Mão Própria, para a apresentação do livro “O Espectro dos Populismos” (edição: Tinta da China, 2018), que contará com as presenças de Francisco Louçã, Cecília Honório e José Manuel Pureza, sendo moderado por Camilo Soldado (jornalista). O evento decorrerá, no Café Sta Cruz, a partir das 21h30. Contamos contigo…
– – –
Sinopse: “Há hoje um “espectro” que percorre a mundo: o espectro do populismo. Mas de que falamos quando falamos de populismo? O que é que o caracteriza de um ponto vista social, cultural e político? Como pode ser interpretado? Deve ser combatido? Se sim, como?
Os termos “populismo” e “populista” são diariamente convocados no espaço político, mediático e no senso comum, para classificar adversários políticos e as suas propostas. Foi a explosão de forças populistas pelo mundo, e a imprecisão e leviandade com que este termo tem sido usado no debate público, que motivaram os autores a escrever este livro.
Trata-se de um debate essencial para salvaguardar as democracias e para nelas aprofundar a participação dos cidadãos. A clarificação do conceito, a história e a política do(s) populismo(s), a sua relação com a ideologia, o seu valor instrumental para o centro político e para a direita, a sua aplicação na retórica neoconservadora, mas também as suas expressões entre a esquerda e os seus contextos geopolíticos – são algumas das linhas de força aqui presentes.
Pensar o populismo para o compreender e combater, é o desafio a que este livro se propõe.
Textos de Boaventura de Sousa Santos, Cecília Honório, Fernando Rosas, Francisco Louçã, João Mineiro, José Manuel Pureza, José Manuel Sobral, Luís Trindade e Manuel Loff.”





Memórias: Charles Alston

29 11 2018

No dia 28 de novembro de 1907, nasceu Charles Alston. Foi um professor, pintor e escultor afro-americano. Fundou o Harlem Art Workshop durante a Grande Depressão. Nos primeiros anos, centrou-se no retrato. Os seus primeiros murais inspiraram-se em Rivera e Orozco. Mais tarde, o Movimento Pelos Direitos Civis teve nele uma grande influência. Por António José André.
Charles Alston nasceu, em Charlotte (Carolina do Norte – EUA), a 28 de novembro de 1907. Filho do reverendo Primus Alston e de Ana Miller Alston, ele foi o mais jovem de 5 filhos. Em 1910, o seu pai morreu repentinamente.
Em criança, Alston copiava desenhos de comboios e carros feitos pelo seu irmão, Wendell. Também fazia esculturas em barro. Em 1915, a família mudou-se para Harlem (Nova Iorque).
Durante a Grande Depressão, a população de Harlem sofreu economicamente. A fortaleza estóica vivida por essa comunidade ficou expressa mais tarde nas obras de arte de Charles Alston.
Na Escola Primária de Manhattan, as capacidades artísticas de Charles Alston já eram conhecidas e pedíam-lhe para desenhar todos os cartazes da Escola. Durante o Ensino Secundário fez a sua primeira pintura a óleo.
Charles Alston estudou na DeWitt Clinton High School, destacando-se pela excelência académica e foi editor de arte da revista da Escola: “The Magpie”. E estudou Desenho e Anatomia, na National Academy of Design.
Em 1925, Charles Alston frequentou a Universidade de Columbia. Entrou em Arquitetura, mas perdeu interesse ao constatar a falta de êxito de muitos arquitetos afro-americanos.
Depois, experimentou Medicina até que entrou em Belas Artes. Charles Alson ligou-se a Alpha Phi Alpha, trabalhando no Columbia Daily Spectator e desenhando caricaturas para a revista da Escola Jester of Columbia.
Alston também trabalhou em restaurantes e clubes de Harlem, onde incrementou o amor pelo jazz e pela música negra. Em 1929, licenciou-se e foi estudar no Teachers College. Em 1931, obteve o Mestrado.
Entre 1942 e 1943, Alston esteve no Exército, no Arizona. Depois regressou a Nova Iorque e casou-se com Myra Logan, em 8 de abril de 1944. Em janeiro de 1977, morreu Myra Logan. Meses mais tarde, a 27 de abril de 1977, morreu Charles Alston após uma lomga luta contra o cancro.
– – –
Enquanto estudava para o Mestrado, Alston foi diretor da Casa das Crianças da Utopia, iniciada por James Lesesne Wells. Ele começou a lecionar influenciado pela obra de John Dewey, Arthur Wesley Dow e Thomas Munro.
Alston foi introduzido na Arte Africana pelo poeta Alain Locke. Em 1938, recebeu uma verba do Fundo Rosenwald e viajou para o sul com Giles Hubert, (inspetor da Farm Security Administration), onde fotografou situações da vida rural.
As fotografias serviram de base para uma série de retratos “que representam a vida do negro do SUL”. Em 1940, recibeu uma segunda verba do Fundo Rosenwald e passou um tempo prolongado na Universidade de Atlanta.
Entre 1930 e 1940, Alston fez ilustrações para as revistas “Fortune”, “Mademoiselle”, “Yorker Melody Maker”, entre outras. Também desenhou capas de discos de vários artistas como Duke Ellington e Coleman Hawkins.
Em 1940, Alston trabalhou no Gabinete de Informação da Guerra e Relações Públicas criando imagens de afro-americanos, utilizadas em mais de 200 jornais pelo governo para “fomentar a boa vontade da cidadania negra”.
Depois, Charles Alston deixou o trabalho comercial e centrou-se na sua própria obra de arte. Em 1950, foi o primeiro instrutor afro-americano da Art Students League, onde permaneceu até 1971.
Em 1950, as pinturas de Charles Alson foram expostas no Museu Metropolitano de Arte de Nova Iorque, Em 1956, foi o primeiro primeiro instrutor afro-americano no Museu de Arte Moderna.
Alson foi coordenador do Centro de Crianças da Expo 58. Nesse ano, foi eleito para a Academia Americana de Artes e Letras. Em 1963, co-fundou “Alston Espiral” com Romare Bearden, Hale Woodruff e outros artistas: Emma Amos, Perry Ferguson e Merton Simpson. Em 1968, Alston foi nomeado para o Conselho Nacional da Cultura e Artes.
Charles Alson fundou o Harlem Art Workshop durante a Grande Depressão. Nos primeiros anos, centrou-se no retrato. Os seus primeiros murais inspiraram-se em Diego Rivera e José Orozco. Mais tarde, o Movimento Pelos Direitos Civis teve nele uma grande influência.





Memórias: António Aleixo

14 11 2018

Hoje na história: no dia 16 de novembro de 1949, morreu António Aleixo. Foi um poeta popular português. Famoso pela sua ironia e pela crítica social, é recordado por ter sido simples, humilde e ter deixado uma obra poética singular. Por António José André.
António Aleixo nasceu a 18 de fevereiro de 1899, em Vila Real de Santo António. Começou a frequentar a Escola Primária, em 1907. Revelou o seu talento de improvisador, quando tinha dez anos de idade.
Entre 1912 e 1919, António Aleixo foi aprendiz de tecelão e pastor de rebanhos. Entre 1919 e 1921, esteve no serviço militar. Em 1924, alistou-se na polícia. Entre 1928 e 1930, esteve em França e foi servente de pedreiro.
António Aleixo regressou a Portugal. Entre 1931 e 1933, foi vendedor de gravatas, cauteleiro e cantor nas feiras portuguesas, atividades que lhe renderia a alcunha de “poeta-cauteleiro”.
Em 1943, António Aleixo foi internado no Sanatório dos Covões (Coimbra), por causa duma tuberculose. Em Coimbra, conheceu novos amigos, que reconheceram o seu talento: Armando Gonçalves e Miguel Torga.
António Aleixo faleceu, no dia 16 de novembro de 1949, com 65 anos, em Loulé, após uma vida recheada de pobreza, mudanças de emprego, emigração e tragédias familiares e doenças,
Famoso pela sua ironia e pela crítica social sempre presente nos seus versos, António Aleixo é recordado por ter sido simples, humilde e por ter deixado como legado uma obra poética singular.
António Aleixo deixou a seguinte obra escrita: “Quando Começou a Cantar”, «Este livro que vos deixo», «O Auto do Curandeiro», «O Auto da Vida e da Morte», «O Auto do Ti Jaquim» e «Inéditos».
Em sua homenagem, foi construído um monumento, em Loulé, em frente ao “Café Calcinha”. O antigo Liceu de Portimão passou a chamar-se Esc. Secundária Poeta António Aleixo. Existe a «Fundação António Aleixo», que atribui bolsas de estudo aos mais carenciados.





Memórias: Eugène Pottier

7 11 2018

No dia 6 de novembro de 1887, morreu Eugène Pottier. Foi um poeta, desenhador, operário e militante socialista francês. Escreveu o texto daquela que é uma das canções mais conhecidas no mundo: “A Internacional”. Por António José André.
Eugène Pottier nasceu a 4 de outubro de 1816, em Paris. Era filho de uma família pobre. Começou a trabalhar aos 13 anos, embalando caixões, em Lille. Aos 14 anos escreveu a sua primeira poesia: “Viva a Liberdade!”
Esteve presente nos diferentes acontecimentos do movimento operário europeu do século XIX. Pottier fundou a Câmara Sindical de Desenhadores. e filiou-se na Primeira Internacional.
Em 1871, Pottier foi eleito por unanimidade para o Conselho da Comuna de Paris. Lutou nas barricadas em defesa da Comuna. Após a derrota destes movimento revolucionário, refugiou-se na Inglaterra e, depois, nos EUA.
Durante o seu exílio e assumindo a condição de imigrante, Eugène Pottier escreveu o poema “Operários dos EUA e Operários de França”, no qual refletia sobre a vida dos trabalhadores sob o jugo do sistema capitalista.
Estava convencido que os trabalhadores de todas as latitudes, para além das fronteiras nacionais, tinham as eismas necessidades e o mesmo interesse de lutar para tornar possível a revolução proletária mundial.
Em 1880, quando o governo francês concedeu uma amnistía geral, Pottier regressou a Paris. Participou na fundação do Partido Operário Francês e escreveu para o jornal “O Socialista”, com Paul Lafargue.
Eugène Pottier manteve a sua atividade política e literária até à morte, no dia 8 de novembro de 1887. O cortejo fúnebre foi acompanhado por cerca de 10 mil pessoas, que empunhavam bandeiras vermelhas
Os restos mortais de Eugène Pottier estão no cemitério de Peré Lachaise, onde também estão enterrados os revolucionários, que foram fuzilados após a derrota da Comuna de París.
Eugene Pottier escrevera, em junho de 1871, o texto daquela que é uma das canções mais conhecidas no mundo: “A Internacional”. Infelizmente, morreu antes dela ser transformada em música, por Pierre Degeyter. Em 1889, foi cantada, pela primeira vez, no Congreso da Segunda Internacional.





Memórias: Carlos Lamarca

24 10 2018

Hoje na história: no dia 23 de outubro de 1937, nasceu Carlos Lamarca. Foi um militar brasileiro e um dos dirigentes da luta armada contra a ditadura militar instaurada, em 1964. Ousar lutar, ousar vencer”, era assim que terminava os seus textos. Por António José André.
Carlos Lamarca nasceu, no Rio de Janeiro, a 23 de outubro de 1937. Era filho de um carpinteiro. Fez o Ensino Secundário num Colégio de padres e, depois, entrou na Escola Preparatória de Cadetes, em Porto Alegre.
Em 1955, Lamarca foi transferido para a Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (Rio de Janeiro). Em 1960, chegou a aspirante a oficial. Depois foi colocado no 4º Regimento de Infantaria, em Quitaúna (S.P.).
Lamarca foi enviado para as Forças de Paz da ONU, na Palestina. Essa experiência marcou-o quanto às injustiças sociais. Ao chegar ao Brasil, foi colocado na Polícia do Exército (Porto Alegre), quando ocorreu o golpe militar de 1964.
Em 1965, Lamarca voltou para Quitaúna. Em 1967, foi promovido a capitão. Entretanto, fez contactos com grupos de esquerda que defendiam a luta armada para derrubar a ditadura, instalada com o golpe de 1964
Em 24 de janeiro de 1969, Lamarca deixou o quartel de Quitaúna (S.P.), com 63 espingardas, algumas metralhadoras e muitas munições para se juntar à organização clandestina Vanguarda Popular Revolucionária (VPR). Quando deixou Quitaúna, separou-se da mulher e dos filhos, enviados para Cuba na véspera da sua deserção.
Lamarca tornou-se um dos mais ativos militantes da luta armada contra o regime militar. Viveu clandestinamente 10 meses, em São Paulo, antes de seguir para o Vale da Ribeira com 16 militantes para começarem o treino de guerrilha.
Em maio de 1970, o Vale da Ribeira foi cercado por tropas do Exército e da Polícia Militar. Houve combates, mas Lamarca conseguiu escapar. Nessa operação, foram presos quatro guerrilheiros.
Lamarca participou em diversas ações, como assaltos a bancos, e comandou o rapto do embaixador suíço no Brasil, Giovanni Enrico Bucher, no Rio de Janeiro. Depois, fugiu para a Baía.
Lamarca voltou para São Paulo, planeando e comandando ações armadas. Ficou 2 anos e 8 meses na clandestinidade. Em 1971, saiu da VPR e passou a fazer parte do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8).
Em junho de 1971, Lamarca foi para o sertão da Baia com a missão de estabelecer uma base do MR-8. Em agosto desse ano, com a prisão de um militante em Salvador, que conhecia o seu paradeiro, começou o cerco à região, por parte das forças integrantes da “Operação Pajuçara”,
Depois de um tiroteio entre essas forças e Zequinha, que acompanhava Lamarca já adoentado, os dois iniciaram uma fuga, percorrendo cerca de 300 quilómetros, em 20 dias. Em 17 de setembro de 1971, Lamarca e Zequinha foram fuzilados, em Ipupiara (Baia).
Essa operação foi uma das mais violentas, sobretudo em Buritis, onde houve torturas e assassinatos na praça pública e diante da população.
Em 2007, a Comissão de Amnistia do Ministério da Justiça concedeu a patente de coronel do Exército a Carlos Lamarca e o estatuto de perseguidos políticos à sua esposa, Maria Pavan Lamarca, e aos dois filhos. Em 2010, acatando uma ação do Clube Militar, a juíza Cláudia Maria Pereira Bastos Neiva suspendeu a decisão da Comissão de Amnistia.
Carlos Lamarca tinha 34 anos, quando morreu. “Ousar lutar, ousar vencer”, era assim que terminava os seus textos