Memórias: Halldór Laxness

16 02 2018

No dia 8 de fevereiro de 1998, morreu Halldór Laxness. Foi um escritor islandês. Tendo sido controverso pelas suas posturas radicais, foi uma figura dominante na literatura islandesa, ao longo do século XX. Por António José André.
Laxness nasceu, no dia 23 de abril de 1902, como Halldór Kiljan GudJonsson, mas adotou como seu apelido o nome de um bairro da periferia de Reiquiavique, cidade onde nasceu.
Aos 14 anos, Laxness escreveu o seu primeiro artigo, publicado no jornal “Morgunblaðið”. Aos 19 anos, publicou o seu primeiro conto no mesmo jornal. Durante a sua juventude, Laxness viajou bastante e residiu fora da Islândia.
Nos vários países da Europa continental onde viveu, sentiu-se influenciado pelo surrealismo e pelo expresionismo alemão. A sua posterior estadia nos Estados Unidos, fê-lo deixar a fé católica, tornando-se ateu.
O socialismo foi o prisma através do qual Laxness observou o mundo durante os anos trinta e quarenta, tendo sido defensor da União Soviética, até à invasão da Hungría, em 1956.
Laxness foi duramente atacado pela sociedade conservadora. Mas os jovens islandeses víam nele alguém capaz de dar novos valores à sociedade..Tendo sido controverso pelas suas posturas radicais, Laxness foi uma figura dominante na literatura islandesa, ao longo do século XX.
Durante a sua vida, Laxness escreveu 51 romances, poesia, artigos de jornal, livros de viagens, peças de teatro, contos e outras obras. Em 1955, ganhou o Prémio Nobel da Literatura.
A sua obra, traduzida em mais de 45 línguas, tem grande sucesso em todo o mundo. Em Portugal, foram editadas pela Cavalo de Ferro: “Os peixes também sabem cantar”, “Gente Independente” e “O Sino da Islândia”.

Anúncios




Memórias: Coretta Scott King

6 02 2018

No dia 30 de janeiro de 2006, morreu Coretta Scott King. Foi uma escritora, cantora e ativista norte-americana. Defendendo a igualdade e a justiça, lutou pelos direitos dos negros e das mulheres. Defendendo a paz, foi contra a Guerra do Vietname e a invasão do Iraque. Por António José André.
Coretta Scott nasceu no dia 27 de abril de 1927, em Marion (Alabama). Frequentou o ensino básico, em Lincoln (localidade a seis quilómetros da sua), tendo que fazer o percurso a pé, pois o sistema de segregação racial não lhe permitia andar no autocarro uitilzado pelos estudantes brancos.
A partir de 1945, Coretta Scott entrou para um colégio, em Antioquia (Ohio), onde também sofreu injustiças raciais. Decidida e segura de que poderia competir com as pessoas “de diferentes origens raciais, étnicas ou culturais”, especializou-se como professora do Ensino Primário.
Com grande talento musical, Coretta Scott tocava trompete, piano e violino. Também cantava num coro e deu o primeiro concerto, na Segunda Igreja Batista, em Springfield (Ohio). Em 1951, matriculou-se no Conservatório de Nova Inglaterra, em Boston. Em 1954, licenciou-se em música.
Conheceu Martin Luther King Jr. (estudante de Teologia), em Boston. Ambos partilhavam os ideias de justiça e liberdade. Casaram-se, em 1953. Mudaram-se para Montgomery (Alabama), em 1954. Luther King passou a ser ministro da Igreja Baptista e era reconhecido como lider dos direitos civis.
Coretta Scott King participou ativamente na organização das marchas e protestos cívicos. Deu “Concertos de Liberdade”, cantando, lendo poesia e dando palestras sobre a história dos direitos civis. Estes concertos serviam para angariar fundos para a Southern Christian Leadership Conference (organização fundada por Luther King, em 1957).
No dia 4 de abril de 1968, Luther King foi assassinado, em Memphis (Tennesse). Quatro dias depois, Coretta Scott King e os filhos voltaram a Memphis para liderar uma Marcha, que tinha sido planeada por Luther King.
Em junho de 1968, Coretta discursou na Campanha dos Pobres, em Washington DC. Nesse ano, fundou o Centro King, entidade para auxiliar e promover a igualdade racial. Em maio de 1969, liderou uma manifestação de trabalhadores hospitalares, em Charleston (Carolina do Sul).
Coretta Scott King, além de lutar pela igualdade racial, participou no movimento contra a Guerra do Vietname. Ela tornou-se ativa no movimento das mulheres e apoiou o movimento em defesa dos direitos LGBT. Defendendo a paz mundial, manifestou-se contra a invasão do Iraque.





Memórias: Patrice Lumumba

24 01 2018

No dia 17 de janeiro de 1961, morreu Patrice Lumumba. Foi um dirigente políico congolês, que defendia a unidade e a luta dos povos africanos contra o colonialismo e o imperialismo. Por António José André.
Lumumba nasceu, dia 2 de julho de 1925, em Onalua (região de Sankuru), quando o seu país estava sob o domínio colonial belga. Depois de receber uma educação familiar, frequentou uma escola de missionários católicos e uma escola protestante.
Em 1943, após concluir os estudos básicos, Lumumba saiu da sua terra natal e começou um novo percurso de vida: foi empregado na companhia Symaf (Syndicat Minier Africain) e no serviço de correios.
Em 1958, depois de ter sido eleito presidente do Sindicato Independente dos Trabalhadores Congoleses, Lumumba fundou o MNC (Movimento Nacional Congolês): primeiro partido político africano/congolês.
Nesse ano, participou na I Conferência dos Povos Africanos, onde se encontrou com outros dirigentes africanos: Sekou Touré (Guiné Conakry), Julius Nyerere (Tanzânia), Tom Mboia (Quénia), e Kwame Nkruma (Gana).
Inspirado pelos ideais do pan-africanismo, Lumumba assumiu uma militância anticolonial, defendendo a unidade nacional entre as diferentes etnias do Congo e a libertação do domínio belga.
Lumumba centrou a sua ação política na unidade nacional. Essa postura valeu-lhe o ódio dos colonialistas que queriam derrubá-lo, instigando a rivalidade entre etnias, mediante suborno, promessas e intimidações.
Em 1959, Lumumba participou, em Bruxelas, na fase final das negociações para a independência do então Congo Belga, onde foram assinados os protocolos sobre a transição para um governo congolês.
No dia 30 de junho de 1960, quando foi proclamada a independência do Comgo (depois Zaire e, atualmente, República Democrática do Congo), Patrice Lumumba tomou posse como Primeiro-Ministro.
Defendendo um país independente e unitário, Lumumba foi considerado demasiado próximo da União Soviética. A decisão de eliminá-lo foi atribuída à CIA e ao governo belga, contando com a colaboração do general Mobutu.
No dia 17 de janeiro de 1961, Lumumba foi morto sob tortura. Numa carta deixada à sua mulher, Pauline Opangu, dizia: “A minha fé é inquebrável. Sei e sinto no fundo de mim que, cedo ou tarde, o país libertar-se-á de todos os inimigos internos e externos e levantar-se-á para dizer não ao vergonhoso e degradante colonialismo”. O assassinato de Patrice Lumumba, transformou-o num símbolo da luta anticolonialista africana.





Memórias: Dashiell Hammett

10 01 2018

No dia 10 de janeiro de 1961, faleceu Dashiell Hammett. Foi um escritor norte-americano, que introduziu o realismo na literatura policial. A “caça às bruxas”, promovida por McCarthy, incluíu-o na Lista Negra que impedia artistas de trabalharem na indústria cinematográfica. Por António José André.
Hammett nasceu, no Condado de Saint Mary’s, no dia 27 de maio de 1894. Frequentou a Escola de Baltimore, mas aos 14 anos teve de começar a trabalhar para ajudar a sustentar a família.
Trabalhou como mensageiro, entregador de jornal, escriturário e estivador, entre muitos outros empregos. Aos 20 anos, foi aceite pela Agência Pinkerton de detetives.
Em 1918, integrou o Corpo de Ambulâncias do Exército. Depois da I Guerra, regressou à Agência Pinkerton. Este período serviu-lhe de inspiração para escrever policiais. Depois, demitiu-se para se dedicar à literatura.
As suas histórias, que começaram a ser publicadas em revistas baratas e populares (“Black Mask” e “Smart Set”), chamaram a atenção do público e da crítica e passou a ser reconhecido como grande escritor.
A sua carreira literária iniciou-se com a publicação de contos na revista “Black Mask”, protagonizados pelo investigador Continental OP, que seria o herói do seu livro de estreia: “Seara Vermelha” (1929).
“O Falcão de Malta” (1930) foi a primeira obra onde surgiu outra das suas personagens, o detetive Sam Spade. Este livro continua a ser famoso e foi frequentemente transposto para o cinema.
Autor de vários livros de sucesso, “A Chave de Cristal (1931) e “O Homem Sombra” (1934), Hammett introduziu o realismo na literatura policlal, sendo considerado pai do género “hard-boiled”.
Nos anos 50, aproximou-se de movimentos da esquerda e era simpatizante do Partido Comunista dos EUA. As suas atividades chamaram a atenção do “House Un-American Activities Committee”.
Foi chamado a testemunhar e a revelar nomes de pessoas conhecidas (acusadas de anti-americanismo), mas recusou-se e esteve preso 5 meses. A “caça às bruxas” promovida pelo senador McCarthy, nos anos 50, incluíu-o na Lista Negra que impedia artistas de trabalharem na indústria cinematográfica.
Minado pelo álcool e doente, Hammett morreu em Nova Iorque, no dia 10 de janeiro de 1961. André Gide dissera que “Os seus diálogos podiam bater-se com os de Faulkner ou Hemingway”.

 





Memórias: Andrei Tarkovski

28 12 2017

No dia 28 de dezembro de 1986, faleceu Andrei Tarkovski. Foi um realizador de cinema russo. Era conhecido no estrangeiro como o realizador soviético menos ortodoxo. Após a sua morte e depois da queda do regime, passou a ser um ícone para várias gerações.. Por António José André.
Tarkovski nasceu, no dia 4 de abril 1932. Os pais viviam numa vila na região do Volga. O seu pai era o poeta Arseni Tarkovsky e a suamãe uma atriz. A mãe criou-o sózinha, porque o pai os deixara, quando ele cinco cinco anos.
Quando se mudaram para Moscovo, foi estudar na Escola de Zamoskvorechye, onde conheceu o poeta Andrei Voznesensky. Tarkovski estudou música e pintura, evidenciando uma veia artística.
Tarkovski formou-se em Geologia, mas abandonou a profissão por amor ao Cinema. Entrou para a Escola Soviética de Cinema (VGIK), onde teve como tutor o realizador Mijail Romm.
O seu primeiro filme foi «A Infância de Ivan» (1962). O filme seguinte «Andrei Rublev» (1966) foi considerado uma obra-prima. Tarkovsky abordara a vida dum grande pintor, mostrando o silêncio que se mantinha na União Soviética.
Depois fez duas obras-primas, «Solaris» (1972) e «Stalker» (1979). Sem grandes recursos materiais e tecnológicos, estes filmes foram um conributo para a ficção.do século XX. O seu último filme foi, “Sacrificio” (1986).
Tarkovsky era um existencialista. Queria conhecer a fundo a consciência humana. Um dia afrimou que “através do Cinema era necessário apontar os problemas mais complexos do mundo”.
Tarkovski era conhecido no estrangeiro como o realizador “soviético” menos ortodoxo, No entanto, os seus filmes tinham uma distriuiição mínima no seu país. Em 1984, Tarkovsky exilou-se em Itália. Após a sua morte e depois da queda do regime, passou a ser um ícone para várias gerações.

 





Hoje na História: Independência da Finlândia

5 12 2017

No dia 6 de dezembro de 1917, a Finlândia tornou-se independente, após oito séculos dominada por vários países. Hoje é uma referência em qualidade de vida e tecnologia. A Finlândia emancipou-se da Rússia. proclamando a sua independência, no dia 6 de dezembro de 1917, e aproveitando as desordens provocadas pela Iª Guerra Mundial e pela Revolução Russa.
No dia 6 de dezembro, é celebrada a independência da Finlândia, duramente conquistada. No dia 28 de fevereiro, celebra-se a identidade finlandesa: – aniversário da publicação de “Kalevala” (epopeia nacional da Finlândia, escrita por Elias Lönnrot).
A Finlândia (em finlandês: ‘‘Suomi’’ ou ‘‘País dos Mil Lagos’’) foi inicialmente povoada por lapões e depois por nómadas estonianos e húngaros. Estes údeixaram um idioma bastante particular do grupo linguístico fino-úgrico, próximo do mongol e do turco.
Em 1157, os suecos ocuparam o território. Em 1809, a Suécia cedeu a Finlândia ao czar Alexandre I, após o Tratado de Hamina, tornando-se um grão-ducado dos czares russos..





Hoje na história: Julia Marichal.

1 12 2017

No dia 2 de dezembro de 2011, morreu Julia Marichal. Foi uma atriz e cantora mexicana. Era uma ativista anticrime e promotora da cultura negra no México.
Júlia Marichal começou a sua carreira no filme: “Joselito Vagabundo” (1966). Ela participou em vários filmes e telenovelas. Dedicou os seus últimos anos a preservar o arquivo do escritor Juan de la Cabada.
Foi encontrada morta em sua casa, no dia 2 de dezembro de 2011, por suspeita de homicídio doloso. Pouco tempo depois, os seus assassinos foram capturados.