Memórias: Vinicius de Moraes

11 07 2019

No dia 9 de julho de 1980, morreu Vinicius de Moraes: um dos mais populares poetas brasileiros. Vinicius foi escritor, diplomata,  jornalista e músico. Por António José André.

Vinícius de Moraes nasceu a 19 de Outubro de 1913, no Bairro da Gávea (Rio de Janeiro). Era filho de Clodoaldo Pereira da Silva Moraes, funcionário da Perfeitura, poeta, violonista amador, e de Lídia Cruz de Moraes, pianista amadora.

Aos três anos, Vinicius de Moares mudou-se para Botafogo, indo morar com os avós. Frequentou a Escola Primaria, escrevendo os seus primeiros versos. Em 1924, Vinicius de Moares entrou para o Colégio Santo Inácio, cantando no coro da Igreja. Em 1929, a família voltou para Gávea.

Nesse ano, Vinicius de Moares entrou para a Faculdade de Direito. Em 1933, concluiu o curso e publicou “O Caminho para a Distância”. Em 1935, publicou o livro “Forma e Exegese”. Em 1938, ganhou uma bolsa do Conselho Britânico para estudar Língua e Literatura inglesas, na Universidade de Oxford. Nesse ano, publicou “Os Novos Poemas”.

Com o início da II Guerra Mundial, Vinicius de Moares voltou para o Rio de Janeiro. Nos anos seguintes publicou muitos poemas e tornou-se assim um dos mais populares da Literatura brasileira. A sua obra foi vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música.

Vinicius de Moares considerou que a poesia foi a sua primeira e maior vocação.  No campo musical, teve como principais parceiro, entre outros, Tom Jobim, Baden Powell, João Gilberto e Chico Buarque.

Escute aqui “O operário em construção” de Vinicius de Moraes:

Anúncios




Memórias: Éric Satie

5 07 2019
No dia 1 de julho de 1925, morreu Éric Satie. Foi um compositor, escritor e pianista francês. Irreverente e excêntrico, teve influência no cenário da vanguarda parisiense do início do século XX. Foi precursor da música ambiente, do teatro do absurdo e do minimalismo.  Por António José André.
Éric Satie nasceu a 17 de maio de 1866, em Honfleur (Normandia – França). Em 1873, morreu a sua mãe, Jane Leslie Aston. O pai, Jules Alfred Satie, foi viver para Paris. Satie foi criado pelo seu tio boémio, Adrien Satie.
Em 1878, Satie mudou-se para Paris. Em 1880, ingressou no Conservatório, onde foi considerado preguiçoso e sem o menor senso de ridículo. Em 1890, Satie foi morar num pequeno quarto, em Montmartre.
Tornou-se pianista no cabaré “Chat Noir”, onde se apresentou como “gymnopedista”. Termo que deriva do antigo festival grego “Gymnopaedia”, dedicado ao deus Apolo.
Nesse cabaré, Satie trabalhou com o humorista, Alphonse Allais, que o apelidou “Esotérik Satie”. A sua música erai apreciada por poucos e desprezada pela maioria dos compositores e críticos musicais.
Em 1891, Satie entrou para a Ordem Cabalística da Rosa-Cruz (instituição esotérica). Insatisfeito, fundou a “Eglise Métropolitaine d’ Art de Jésus Conducteur” (“Igreja Metropolitana de Arte de Jesus como Guia”), da qual era o único membro.
Em 1898, Satie deixou Montmartre e foi viver para um quarto no subúrbio industrial de Paris. Caminhava diariamente 9 quilômetros para ir tocar em Montmartre. Em 1905, surpreendeu todos, quando resolveu voltar a estudar.
Com 40 anos, ingressou na Schola Cantorum de Paris. Estudou contraponto e orquestração, abandonando por algum tempo a vida boémia. Em 1908, Satie recebeu o diploma com a avaliação de “muito bom”.
Satie decidiu voltar a compor, regressando à vida noturna de Paris. As suas peças eram originais e inspiradas no ambiente de bares e cabarets. A partir de 1911, a sua música começou a ganhar atenção.
Em 1917, Satie compôs “Parade”/1, concebido para o Ballet Russes de Serguei Diaguilev, incorporando sons de uma máquina de escrever, uma sirene e um tiro de pistola. Jean Cocteau escreveu o argumento.
Pablo Picasso tratou do cenário e do guarda roupa. Nessa peça, apareceu pela primeira vez o termo surrealismo, usado por Guillaume Apollinaire, que mais tarde designou um movimento artístico e literário.
Em 1918, Satie escreveu a ópera “Socrate”, um drama com textos de Platão, traduzidos por Victor Cousin. Esta obra marcou uma mudança no seu estilo. Satie foi mentor do grupo “Les Six”, banda de vanguarda que reagiu contra o romantismo e o impressionismo na música e tinha a supervisão de Cocteau.
Após anos de boémia, Satie morreu a 1 de julho de 1925. Irreverente e excêntrico, teve influência no cenário da vanguarda parisiense do início do século XX.
Foi precursor da música ambiente, do teatro do absurdo e do minimalismo. A sua primeira peça “Vexations” (1893) tinha 32 compassos que se repetiam 840 vezes. Além de compor, gostava de escrever e fazer caricaturas, que revelavam o seu estilo irónico.




Memórias: Primeiro filme LGBTI surgiu há 100 anos

30 06 2019

No dia 28 de maio de 1919, decorreu a estreia do filme alemão “Diferente dos Outros”(“Anders als die Andern”). Escrito por Richard Oswald e Magnus Hirschfeld, trata-se da primeira longa-metragem LGBTI da História. Foi uma bandeira que serviu para alavancar a luta pelos direitos sexuais. Por António José André.
Há 100 anos, o filme “Diferente dos Outros” ousou abordar o romance de dois homens. Foi uma bandeira contra o Parágrafo 175 do Código Penal alemão e serviu para alavancar a luta pelos direitos sexuais. É uma história ousada para a época, mas é compreensível que tenha surgido naquele tempo e naquele espaço.
A Revolução Russa de 1917 e a crise económica, causada pela Primeira Guerra Mundial, abalaram a Alemanha. Em 1918, foi derrubado o regime autoritário do Kaiser e proclamada a República de Weimar. Eram tempos de mudança, onde a Liga Espartaquista, liderada por Rosa Luxemburgo, teve um importante papel.
Nesse contexto, muitos direitos políticos e sociais foram conquistados. As artes floresceram no campo da vanguarda: seja na literatura ou no teatro, seja na arquitetura ou no cinema. O Expressionismo alemão deu asas à vida, tal como outras correntes estéticas.
O filme “Diferente dos Outros” era parte do trabalho militante de Magnus Hirschfeld (médico, homossexual e artista judeu), que fundou o Comitê Científico Humanitário (C.C.H.), em 1897.
O C.C.H., fundado em Berlim, realizou Encontros contra o Parágrafo 175 e promoveu uma Petição pedindo a sua revogação, que foi subscrita por muitas personalidades da época (Albert Einstein, Hermann Hesse, Thomas Mann, Rainer Maria Rilke e Leão Tolstói), entre mais de 6 mil assinaturas.
Nota: este parágrafo hediondo, promulgado em maio de 1871, considerava ilegal a homossexualidade e apenas abolido, em março de 1994.
Em 1933, quando o nazismo assumiu o poder, ilegalizou o C.C.H. e destruiu a sua enorme Biblioteca. O filme não sobreviveu na sua totalidade. Foi recortado e reeditado ao longo dos anos. Mas sobreviveu a ousadia de lutar.
Veja o filme reconstituído (em inglês) eaqui: https://vimeo.com/251002359
Ficha técnica
Título: “Diferente dos Outros” (“Anders als die Andern”) – Alemanha, 1919
Género: Drama
Direção: Richard Oswald
Roteiro: Magnus Hirschfeld, Richard Oswald
Elenco: Conrad Veidt, Leo Connard, Ilse von Tasso-Lind, Alexandra Willegh, Ernst Pittschau, Fritz Schulz, Wilhelm Diegelmann, Clementine Plessner, Anita Berber, Reinhold Schünzel, Helga Molander, Magnus Hirschfeld, Karl Giese
Duração: 50 min.
Paul Körner é um violinista famoso. Procurado pelo jovem Kurt Sivers, Körner aceita dar-lhe aulas e algo mais se desenvolve entre eles. Certo dia, os dois são vistos de braços dados na rua, por Franz Bollek. Na Alemanha, a contravenção prevista no Parágrafo 175 do Código Penal, proibia o homossexualidade. Bollek começa a chantagear Körner, ameaçando entregá-lo à polícia. A situação fica insustentável. Sivers desaparece. Levado a tribunal por Bollek, Körner é defendido por Magnus Hirschfeld.





Memórias: Marco Ferreri

9 05 2019

No dia 9 de maio de 1997, faleceu Marco Ferreri. Foi um realizador de cinema e ator italiano. O seu trabalho foi pautado pelo humor negro e pela crítica aos mitos sociais contemporâneos. Por António José André.
Marco Ferreri nasceu a 11 de maio de 1928, em Milão. Durante a sua juventude, estudou Medicina Veterinária na Universidade de Milão. Não concluíu o curso por causa do seu interesse pela Sétima Arte.
Os primeros contactos de Ferreri com o cinema foram enquanto estudava Medicina Veterinária e trabalhava para uma empresa de licores. Esse emprego levou-o a produzir spots publicitários dessas bebidas.
Marco Ferreri foi diretor de produção e começou a fazer filmes para o humorista Rafael Azcona. Em 1950, colaborou nas filmagens de “Cronaca di un Amore”, de Michelangelo Antonioni.
Em 1951, Ferreri fundou com Riccardo Ghione uma revista sobre cinema “Documento Mensile”, que contou com a colaboração de gente célebre: Alberto Moravia, Luchino Visconti e Vittorio de Sica.
Até 1958, Ferreri dedicou-se à publicação e divulgação dessa revista e à produção de filmes de baixo orçamento.
Em 1959, estreou-se como realizador, em Espanha, onde filmou “El Pisito”. Até 1968, muitos dos seus filmes foram afetados pela censura. Entre eles contou-se “Una Storia Moderna” (1963), protagonizado por Ugo Tognazzi. Em 1969, teve sucesso de bilheteira com o filme “Dillinger É Morto”.
Marco Ferreri procurou impor uma forte carga filosófica nos seus filmes. O seu trabalho foi pautado pelo humor negro e pela crítica aos mitos sociais contemporâneos. Conseguiu-o com o filme “Liza, a Submissa” (1972), uma sátira protagonizada por Catherine Deneuve e Marcello Mastroianni.
O filme que lhe trouxe reconhecimento internacional foi “A Grande Farra” (1973). Apesar de ter feito uma crítica à sociedade de consumo, o filme foi um sucesso internacional. Em Portugal, o filme só foi exibido após o 25 de abril.
Marco Ferreri gostava de ser polémico. Em “A Última Mulher”(1976), filmou uma cena de autocastração de um engenheiro. Em “Ciao Maschio” (1978), contou a história de um iluminador teatral que se suicida por não conseguir enfrentar a gravidez da namorada e a morte do seu macaco de estimação.
Em 1983, Ferreri voltou a trabalhar com Marcello Mastroianni no filme “A História de Piera”. Em 1996, dirigiu o seu último filme “Nitrato d’Argento”.
Marco Ferreri faleceu, em Paris, a 9 de maio de 1997.





Memórias: Allen Ginsberg

4 04 2019

No dia 5 de abril de 1997, morreu Allen Ginsberg. Foi um escritor, filósofo e ativista norte-americano. Fez parte do núcleo duro da Beat Generation: movimento que rejeitava os valores tradicionais e contribuiu para uma revolução cultural, nos anos 50 e 60. Por António José André.
Allen Ginsberg nasceu a 3 de junho de 1926, em New Jersey (EUA). O pai era professor, poeta e socialista. A mãe era comunista radical. Em criança, viveu episódios paranóicos da mãe e descobriu que gostava de meninos.
Na Escola Secundária, Ginsberg encantou-se com a obra de Walt Whitman. Depois de findar o secundário, inscreveu-se na Universidade de Columbia (Nova Iorque) graças a uma bolsa da associação Young Men’s Hebrew.
Naquela cidade, tornou-se amigo dalguns jovens (Lucien Carr, Jack Kerouac, William Burroughs e Neal Cassady) interessados em drogas, literatura e sexo. Ginsberg e os seus companheiros foram expulsos da Universidade.
Ginsberg acreditava que aquele grupo se dirigia para uma nova visão poética. Experimentou anfetaminas e marijuana. Frequentou bares gays. E começou uma relação amorosa com Neal Cassady.
Em 1954, Ginsberg mudou-se para São Francisco, cidade onde a Beat Generation estava a ganhar força graças à atividade dos poetas, Kenneth Rexroth e Lawrence Ferlinghetti, fundadores da editora e livraria “City Lights”.
Ginsberg tinha escrito muita poesia, mas quase nada tinha publicado. Em 1956, a City Lights Books publicou, “Howl and Other Poems” (“Uivo e Outros Poemas”). Considerado “obsceno”, foi apreendido pelos serviços alfandegários e pela polícia, sendo alvo dum longo processo judicial.
Os argumentos de vários poetas, críticos e professores universitários (Kenneth Rexroth, Walter V. T. Clark e Mark Schorer) convenceram o juiz. Terminado o processo, tornou-se o livro de poesia mais vendido nos EUA.
Allen Ginsberg, Jack Kerouac e William Burroughs foram o núcleo duro da Beat Generation: movimento que rejeitava os valores tradicionais e contribuiu para uma revolução cultural nos anos 50 e 60.
Ginsberg viajou pelo mundo. Descobriu o budismo. Apaixonou-se por Peter Orlovsky: seu companheiro para o resto da vida. Nos anos 1960, ajudou Timothy Leary a divulgar o LSD. Em 1968, foi um ativista importante contra a Guerra do Vietname.
Ativista durante toda a vida, Ginsberg falava abertamente sobre drogas, homossexualidade e liberdade. Manteve uma publicação regular ao longo da vida. Os seus livros constituíam um apelo à paz e à defesa dos mais desfavorecidos.
Ginsberg manteve a sua agenda social ativa até 5 de abril de 1997: dia em que morreu, na sequência de cancro do fígado. Tinha 70 anos. Antes de morrer, ligou aos amigos e familiares dizendo o seu último poema.
Datado de 30 de março, “Things I’ll Not Do” (Nostalgias) era uma lista de coisas que gostaria de fazer: visitar a Bulgária; beber chá de menta em Marrocos; olhar para a Esfinge, enquanto o sol se punha no deserto…
Leia também: http://www.litkicks.com/AllenGinsberg





Charles Bukowski morreu há 25 anos

12 03 2019

Charles Bukowski (Photo byJARNOUX Patrick/Paris Match via Getty Images)

No dia 9 de março, morreu Charles Bukowski. Foi um poeta, cronista e romancista norte-americano, que não se pareceu com nenhum autor da sua geração. A sua obra fascinou muita gente. Por António José André.
Charles Bukowski nasceu a 16 de agosto de 1920, em Andernach (Alemanha). Em 1922, os seus pais mudaram-se para Los Angeles. Era filho único. Teve uma infância e adolescência horrendas. O pai era violento. A mãe era calada e não ajudou a controlar a tirania paternal.
Na passagem para a adolescência, dois factos marcaram a sua vida. Por um lado, teve um acne extremo. Por outro, o pai começou a bater-lhe sistematicamente com um cinturão de couro.
Bukowski vivia num bairro operário e de classe média baixa. Durante a infância, devido à depressão económica, a maioria das pessoas não tinha trabalho.
O seu pai, também desempregado, todas as manhãs levantava-se e desaparecia, fingindo que ia trabalhar, durante o día. A mãe teve que compensar, ganhando dinheiro em empregos ocasionais.
O ambiente do seu bairro era violento e hostil, tanto entre adultos como entre crianças. Bukowski, pela sua predisposição para a solidão e pela horrível condição da sua pele, foi condenado ao ostracismo.
No fim da adolescência, Bukowski teve o seu batismo no alcool e na escrita: os eixos principais da sua vida. Quanto à primeira vez que provou vinho, escreveu: “Era mágico. Por que nunca me tinham dito? Com isto, a vida é maravilhosa.”
Descobriu o seu talento de escritor, quando a professora do quinto ano pediu aos alunos que fossem, durante um fim de semana, assistir a uma sessão pública do presidente Herbert Hoover (de visita a Los Angeles).
Bukowski não se animou com a ideia de pedir ao pai para o levar e inventou uma crónica. A professora deu conta do facto e falou do caso à turma, elogiando a sua imaginação.
Aos 14 anos, fez um tratamento ao acne. Os médicos tiveram que abrir os seus furúnculos cheios de pus, que tapavam a cara, o peito e as costas. Esse episódio foi literalmente uma tortura para Bukowski.
Durante um longo repouso em casa, começou a escrever, inventando contos sobre um aviador alemão da Primeira Guerra Mundial. Esses cadernos juvenis não existem, porque o pai os atirou-os para o lixo.
Durante a sua juventude, Bukowski descobriu a literatura, na Biblioteca pública. Foi uma descoberta parecida com a do álcool: produziu-lhe um grande alívio existencial.
Bukowski esteve na Universidade pública de Los Angeles, durante dois anos. Ali começou a beber a sério e a escrever. Em 1939, abandonou a Universidade e mudou-se para Nova Iorque.
Em 1944, Bukowski foi preso pelo FBI porque não se tinha inscrito no serviço militar obrigatório. No entanto, ficou isento de ir para a guerra, porque ficou reprovado no exame psicológico do exército.
Nessa época, Bukowski viajou muito e procurou trabalhos não especializados (em fábricas, restaurantes…) com o objetivo de ter tempo livre para escrever.
Bukowski escrevia contos e enviava-os para as grandes revistas literárias e culturais: “The Atlantic”, “Harpers” e “The New Yorker”. Tudo isso foi sempre refutado, mas nunca desanimou.
Quando tinha 24 anos, um conto seu foi aceite por uma pequena e prestigiada revista “Story Magazine”. Um importante agente literário de Nova Iorque escreveu a Bukowski a dizer que o queria representar.
Bukowski respondeu que ainda não estava preparado. Em vez de começar uma carreira literária, agarrou-se a uma borracheira durante 10 anos. Nesses anos, acumulou experiências e vivências que se converteram na sua obra.
Bukowski escreveu mais de 50 livros, incluindo 5 novelas autobiográficas. Os seus versos sobre ócio, alcoolismo, sexo embriagado, corridas de cavalos e violência doméstica são inimitáveis.
Charles Bukowski não se pareceu com nenhum autor da sua geração. A sua obra fascinou muita gente. Viveu até aos 73 anos. Faleceu há 25 anos: a 9 de março de 1994.

 

 





Memórias: Malcolm X

20 02 2019

No dia 21 de fevereiro de 1965, morreu Malcolm X. Foi um dirigente revolucionário afro-americano, foi assassinado no bairro do Harlem (Nova Iorque), quando discursava para a Organização da Unidade Afro-Americana. Por António José André.
Malcolm Little nasceu a 19 de maio de 1925, em Omaha (Nebraska-EUA). Era filho de James Earl Little, pregador batista, que defendia os ideais nacionalistas dos negros. Ameaças vindas da organização racista Ku Klux Klan obrigaram a família a mudar-se para Lansing (Michigan), onde o pai continuou os sermões.
Em 1931, o pai de Malcolm foi brutalmente assassinado pela Ku Klux Klan. No princípio passou a viver numa família adotiva e algum tempo depois num reformatório. Em 1937, mudou-se para Boston onde teve diversos empregos e com o passar do tempo envolveu-se em atividades delituosas.
Em 1946, Malcolm foi preso, acusado de roubo. Na prisão, conheceu Elijah Muhammad, líder da Nação do Islão, organização que defendia o nacionalismo negro e o separatismo racial, condenando os norte-americanos descendentes de europeus como “demónios imorais”.
As teses de Elijah Muhammad impressionaram vivamente Malcolm, que resolveu fazer um intenso programa como auto-didata. Trocou o sobrenome, derivado da herança do esclavagismo, por um X que representava um nome desconhecido dos seus antepassados africanos.
Em 1952, foi libertado e tornou-se ministro da Nação do Islão. Ao contrário dos líderes dos direitos civis, como Martin Luther King, Malcolm X defendia a autodefesa e a libertação dos afro-americanos. Orador fogoso, Malcolm era admirado pela comunidade negra de todo o país.
No final de 1963, Malcolm insinuou que o assassinato do presidente John Kennedy se resumiria em “quem semeia ventos, colhe tempestades”. Isto levou Muhammad a acreditar que Malcolm X se tornara poderoso e julgou que aquela declaração era a oportunidade para suspendê-lo da organização Nação do Islão.
Alguns meses mais tarde, Malcolm X deixou a Nação do Islão e empreendeu uma peregrinação a Meca (Arábia Saudita), onde ficou admirado com a ausência de discordância racial entre os muçulmanos ortodoxos. Devido a esta viagem e a outros países de África e Europa, deixou as suas anteriores crenças.
Voltou aos Estados Unidos, adotando o nome árabe El-Hajj Malik El-Shabazz e, em junho de 1964, fundou a Organização da Unidade Afro Americana, que defendia a identidade negra, mas sustentava que o racismo e não a raça branca era o maior inimigo dos negros norte-americanos.
O novo movimento de Malcolm X foi ganhando continuamente seguidores e a sua filosofia mais moderada tornou-se cada vez mais influente no meio do movimento pelos direitos civis, especialmente entre os líderes do Comité de Coordenação dos Estudantes Não Violentos.
No dia 21 de fevereiro de 1965, uma semana após a sua casa ter sido atingida por uma bomba incendiária, Malcolm X foi alvejado mortalmente, enquanto discursava, em Nova Iorque, perante 400 pessoas, por homens presumivelmente relacionados com a organização Nação do Islão.
Thomas Hagan foi o único dos três detidos pela morte de Malcolm X, que reconheceu a participação no seu assassinato. Hagan foi posto em liberdade condicional, em 2010, depois de ter cumprido 44 anos de prisão
Veja também:
http://www.history.com/this-day-in-history/malcolm-x-assassinated