Memórias: Mário Dionísio

25 07 2016

mariodionisio

No dia 16 de Julho de 1916, nasceu em Lisboa, Mário Dionísio. Foi escritor, professor e crítico de arte. Foi um dos mais importantes teorizadores do neo-realismo português. Por António José André.

Mário Dionísio frequentou os liceus Luís de Camões e Gil Vicente, em Lisboa, e o liceu André Gouveia, em Évora. Em 1940, licenciou-se em Filologia Românica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Durante vinte anos, Mário Dionísio foi professor do ensino secundário no Liceu Camões, em Lisboa. Depois do 25 de Abril, foi professor associado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, até 1986.

Mário Dionísio colaborou em diversos jornais e revistas: Altitude, Diário de Lisboa, Gazeta Musical, Mundo Literário, Presença, Revista de Portugal, Seara Nova e Vértice.

Enquanto artista plástico, Mário Dionísio usou os pseudónimos de Leandro Gil e José Alfredo Chaves. Participou em muitas exposições colectivas, Realizou a sua primeira exposição individual, em 1989.

Mário Dionísio prefaciou obras de vários autores: Alves Redol, Carlos de Oliveira, José Cardoso Pires, José Gomes Ferreira, Júlio Pomar e Manuel da Fonseca.

No domínio da ficção, Mário Dionísio publicou, entre outras obras, “As Solicitações e Emboscadas” (1950), “Riso Dissonante” (1950), “Memória de um Pintor Desconhecido” (1965) e “Le Feu Qui Dort” (1967).

Em Setembro de 2009, abriu a Casa da Achada, em Lisboa, que constitui um importante pólo cultural onde se pode encontrar o espólio de Mário Dionísio. Veja aqui: http://www.centromariodionisio.org/

Anúncios




Memórias: Fellini estreia “La Strada” há 60 anos

7 09 2014

la-strada

No Festival de Cinema de Veneza, a 7 de setembro de 1954, estreou-se uma obra-prima de Federico Fellini – “La Strada” – filme inserido no neo-realismo, movimento que retratava a Itália pobre e decadente do pós-guerra. Por António José André.

Essa estética esteve presente noutros trabalhos de Fellini: “Luci del Varietá” (“Mulheres e Luzes”, 1950), “Lo Sceicco Bianco” (“Abismo dum Sonho”, 1952), “I Vitelloni”(“Os Boas Vidas”, 1953) e “Le notti di Cabiria” (“As Noites de Cabíria”, 1957).

“La Strada” conta a história de Gelsomina (Giulietta Masina), uma jovem vendida pela mãe a Zampanò (Anthony Quinn), que ganhava a vida como artista itinerante. Gelsomina aprendeu a tocar trompete e tambor. E Zampanò passou a ser um tirano para com ela.

Certo dia, ela revoltou-se e abandonou-o. Depois conheceu Il Matto (O Bobo), talentoso equilibrista e palhaço (Richard Basehart), que também era artista de rua. Os dois juntaram-se a um circo itinerante, onde Il Matto já trabalhava.

Mais tarde, Zampanò perseguiu e agrediu Il Matto. Os dois foram presos e despedidos do circo. Após a saída da prisão, Il Matto disse a Gelsomina que havia alternativas para a servidão e afrimou que tudo e todos têm um objetivo, mesmo um pedregulho

Os diferentes caminhos do bobo e do tirano cruzaram-se pela última vez numa estrada. Zampanò viu Il Matto a trocar o pneu do carro e satisfez a sua vingança com uma série de golpes na cabeça do bobo, sob os olhares de Gelsomina horrorizada. Il Matto faleceu. Mas o seu assassinato arrasou Gelsomina.

Passados alguns dias, Zampanò abandonou-a. Anos mais tarde, ouviu uma mulher a cantar a canção que Gelsomina costumava cantar. Nessa altura, ficou a saber que o pai dessa mulher a tinha encontrado na praia e que a tinha acolhido, mas que ela morrera de tão grande mágoa. Zampanò passou a embebedar-se e a vaguear pela praia.

A ideia do personagem Zampanò surgiu da adolescência de Fellini, na cidade costeira de Rimini. Havia lá um homem que levava todas as meninas para a cama. Quando deixava uma menina grávida, todo o mundo dizia que o bebê era filho do diabo.

A banda sonora do filme/1, composta por Nino Rota (habitual colaborador de Fellini) merece atenção. Uma canção melancólica aparece ao longo das cenas: na melodia executada por Il Matto com um violino miniatura; depois, quando Gelsomina tocava trompete; e, finalmente, quando entoada pela mulher que contou a Zampano o final de Gelsomina.

1/https://www.youtube.com/watch?v=CKLa8j06lkw