Memórias: Charles Darwin

27 04 2015

images

No dia 19 de abril de 1882, faleceu Charles Robert Darwin: naturalista britânico que alcançou fama com a teoria da evolução e seleção natural das espécies. Foi laureado com a medalha Wollaston concedida pela Sociedade Geológica de Londres, em 1859. Por António José André.
Darwin nasceu, em 12 de fevereiro de 1809, em Shrewsbury. O seu pai era Físico, filho de Erasmus Darwin, poeta, filósofo e naturalista. A sua mãe, Susannah Wedgood Darwin morreu quando ele tinha 8 anos de idade. Aos 16 anos foi estudar medicina na Universidade de Edimburgo. Depois foi para a Universidade de Cambridge, com o objetivo (imposto pelo pai) de se tornar clérigo da Igreja.
A vida religiosa não agradava a Darwin e, em 31 de dezembro de 1831, aceitou o convite para se tornar membro duma expedição científica a bordo do navio Beagle. Darwin passou 5 anos a navegar pela costa do Pacífico e América do sul. Durante este período, o Beagle aportou em quase todos os continentes e grandes ilhas.
Darwin fora chamado para exercer as funções de geólogo, botânico e zoologista. A viagem foi uma preparação fundamental para a sua vida de pesquisador e escritor. Em 24 de novembro de 1859, publicou o livro “A Origem das Espécies”. A teoria de Darwin defendia que os organismos vivos evoluem através de um processo de seleção natural.
A ideia da evolução orgânica não era nova. Tinha sido aventada antes, entre outros, pelo seu avô, Erasmus Darwin, e por Lamarck, que no começo do século XIX desenhou o primeiro diagrama evolucionário – uma cadeia que ia desde organismos unicelulares até ao homem. No entanto, foi com Darwin que a ciência apresentou uma explicação prática do fenómeno da evolução.
A primeira edição de “A Origem das Espécies” esgotou-se rapidamente. A maioria dos cientistas abraçou a sua teoria, mas os cristãos ortodoxos condenaram o trabalho como uma heresia. A controvérsia quanto às ideias de Darwin aprofundou-se com a publicação de livros sobre plantas e animais: “A descendência do Homem e a seleção em relação ao sexo” e “A expressão da emoção em homens e animais”.
À época da morte de Darwin, a sua teoria da evolução já era universalmente aceite. Subsequentes desenvolvimentos na genética e na biologia molecular levaram a algumas mudanças no entendimento da teoria evolucionista, porém as ideias de Darwin permanecem até hoje como essenciais no campo da biologia.

Anúncios

Acções

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: