A evolução de Paul Krugman

21 08 2013

krugman_interview_photo

A evolução de Paul Krugman


Vicenç Navarro*

Paul Krugman, um dos economistas mais conhecidos da tradição keynesiana, acaba de escrever um artígo na sua coluna do New York Times (08.08.13), “Phony Fear Factor” (1), que considero de grande interesse e que devería ser distribuído amplamente. Assinala, com razão, que estamos a assistir, durante estes meses, ao declive e à queda de dogmas económicos que dominaram o pensamento económico hegemónico nos últimos anos e que foram responsáveis pela enorme crise que estamos a viver.


Estes dogmas, segundo Krugman, incluem a crença de que “a política monetária expansiva criará inflação”, de que “a redução do défice público criará emprego” ou que “a dívida pública acima de 90% do PIB criará um colapso”. Eu acrescentaria outros como que “o elevado desemprego é resultado da rigidez do mercado de trabalho”, que “a redução da espesa pública estimulará o crescimento económico”, que “os interesses da dívida pública se devem à excessiva despesa pública” ou que “a redução do défice cria confiança nos mercados financeiros” e muitos outros dogmas, sustentados hoje (apesar da enorme evidência científica que prova o contrário) pelos poderes financeiros, económicos, políticos e mediáticos espahóis.


Este artigo, que, como indiquei, mereceria uma ampla difusão, mostra, sem dúvida, outro facto de interesse que passou despercebido. E refiro-me à própria evolução de Paul Krugman. Este indica que a primeira vez que leu Kalecki (economista marxista polaco) lhe pareceu que estava errado na sua interpretação do capitalismo. A grande contribuição de Kalecki, uma das mentes mais claras em economia, foi a de combinar Keynes com Marx. Para entender as crises económicas, dizia Kalecki, tem que se ler Keynes, mas também Marx. E isto parece-me óbvio no contexto da crise atual. O maior problema da economia de hoje – tal como assinalam os keynesianos – é a escassez de uma procura que estimule a economia, interpretação correta da causa da Grande Recessão, quase Depressão, que estamos a viver na eurozona.


Mas o que Kalecki nos exigia era ir mais longe e perguntarmo-nos de onde vem esta escassez da procura. E a evidência mostra claramente que vem da diminuição dos rendimentos do trabalho, resultado das políticas públicas levadas a cabo durante o periodo neoliberal, iniciadas na década dos anos oitenta pelo Presidente Reagan e a Sra. Thatcher e mais tarde generalizadas à maioria de países capitalistas desenvolvdos. Esta diminuição dos rendimentos do trabalho impôs-se à população (causando um grande prejuízo ao bem estar das classes populares) para o grande beneficio do capital, como mostra o grande aumento da participação no PIB dos rendimentos do capital à custa da redução dos rendimentos do trabalho.


A evolução da realidade económica fez também evoluir Krugman, de maneira que no citado artigo termina por indicar que Kalecki é o que melhor podería ter explicado a crise atual, que representa o triunfo do capital à custa do mundo do trabalho. É o que costumava chamar-se luta de classes, termo desaparecido, quando não vetado, nos maiores meios de comunicação. E isto apesar dos dados que confirmam que esta supostamente desaparecida luta de classes continua viva e é central para entender que o que nos está a acontecer são derrotas. Nunca antes, no periodo democrático, em Espanha, os rendimentos do capital foram maiores do que os rendimentos do trabalho, com um grande aumento das taxas de lucros das grandes empresas, à custa da descida salarial. E tudo isto com a ajuda da suposta “ciência económica”, financiada pelos grandes bancos e grandes corporações (um caso claro é o de Fedea) que continuam aferradas a crenças e dogmas que perderam toda a credibilidade.

(1) O artigo original pode ser lido em:
http://www.nytimes.com/2013/08/09/opinion/krugman-phony-fear-factor.html

* Vicenz Navarro – Catedrático de Ciências Políticas e Sociais, Universidade Pompeu Fabra (Barcelona, Espanha). Tradução: António José André

Anúncios

Acções

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: